Cadastre seu e-mail

domingo, 27 de novembro de 2011

Poço do Saber Eterno

Woody Allen (nome artístico de Allan Stewart Königsberg; New York, 1 de dezembro de 1935).


"As pessoas sempre se enganam em duas coisas sobre mim: pensam que sou um intelectual (porque uso óculos) e que sou um artista (porque meus filmes sempre perdem dinheiro)".

Não lembro qual foi o primeiro filme que assisti do Allen, foram tantos e tão poucos. Imperdoavelmente não foram todos, mas está é uma das coisas que eu preciso corrigir.

Todas as vezes que passava um filme do Allen na TV, eu queria ver (claro!) e minha mãe queria tirar (?), e o pior era que não tinha absolutamente nada pra por no lugar. Ela realmente nunca gostou dele, pena! Inicialmente fui atacada com perguntas a respeito da minha compreensão do significado de todo aquele falatório. Achava a pergunta tão fora de propósito que não conseguia ver qual a utilidade de responder com sinceridade. Uma vez perguntei se preferia que eu assistisse somente ao Charles Chaplin - nesta noite não vi Zelig. Então só respondia: Tá bom, não entendo nada, mas gosto do som da voz dele, agora é possível eu assistir?!

A inteligencia e a sensibilidade desse nova-iroquino clarinete sempre me emociona, mostra direções, acrescenta razão aos acontecimentos. Brilhante, Genial... Sei hoje o que é não ter palavras para descrever alguém, e sendo esse alguém quem é, talvez fosse mais fácil falar dele através de suas próprias cenas. Então me volto para elas e penso Manhattan ou Midnight in Paris?

Escolho Paris, porque também não sou de lá. Cheguei a conclusão de que na próxima vez que for a Paris, vou passar a meia noite sentada na porta de uma certa igreja esperando um Peugeot antigo chapa 3123 para me levar até a casa da Gertrude conhecer o Hemingway.

Amigo Velho
....................................................Livia Ulian

terça-feira, 15 de novembro de 2011

13 Dá Sorte


No dia 20 de Julho de 2011 comprei pela internet meus ingressos para o SWU de Paulínia, nesse dia estava tudo pela metade, não sabiam todas as bandas que iam se apresentar, o local estava decidido mais muito longe de estar pronto, mas uma coisa era clara, Peter Gabriel iria se apresentar com The New Blood Orchestra no dia 13 de Novembro de 2011 aqui na terrinha. Pra mim e pra mais um monte de amigos, não precisava de mais nada, a partir daquele dia eu sabia exatamente onde estaria nessa data.

Entrei em um ritmo de trabalho alucinado, não estava dando tempo pra absolutamente nada, aliás continuo correndo. Mas toda semana dava uma olhadinha pra ver se o show ainda estava em pé... Passei todos esses meses insegura em relação a realização do festival.

Na semana passada, me preocupei em buscar transporte para o SWU, não queríamos ir de carro porque voltar guiando é um transtorno. Esse ano a produção do evento acertou com o transporte, não tenho a menor idéia do acordo feito entre eles e a VB, mas funcionou.

Comprei as passagens de ônibus no sábado ida/volta (a fila estava imensa, mas dei uma olhada no domingo e já estava tudo organizado). Partimos da rodoviária do Tietê tranquilamente e fomos levados a rodoviária de Paulínia, exatamente a 200 metros da entrada do show, sem desgaste, sem empurra-empurra, tanto na ida quanto na volta. Perfeito!

Uma coisa legal, tanto na rodoviária quanto no ônibus e lá no show estava cheio de estrangeiros. Acho muito importante que as pessoas possam vir ao Brasil para esses eventos e que as coisas dêem certo, longe de sermos perfeitos (aliás longe mesmo), mas estamos melhorando e gosto de tratar a todos eles exatamente como sou tratada quando estou fora, MUITO BEM!

O local do SWU também é onde está o Teatro onde fazem o Festival de Cinema, gente está Lindo, tudo super bem organizado, fácil acesso, limpo... Só tenho elogios! Calma, odeio banheiro químico, mas também entendo que não tem jeito.

Realmente não sei o que aconteceu com a Tedeschi Trucks Band, queria ter visto! Mas curti o playback do Chris Cornell até o fim, depois do que o ultraje fez, um playbackinho não pega nada. Vi no programa que os show tinham duração diferente. Após a chuva o atraso chegava a duas horas e os artistas combinaram de diminuir seus shows em 15 minutos cada. Mas alguns roadies resolveram brigar e ajudados por uma banda, embaçar o evento. Durante o show do Duran Duran, que nunca fui fã, mas que quem gosta adorou, fiquei do lado de cá vendo a montagem do palco do Peter Gabriel, pela equipe competentíssima, a turma do macacão vermelho.

O Show infelizmente começou atrasado, mas fazer o que, eu fui lá pra ver Peter Gabriel... Eu queria mais, queria 10 horas de show, passaria a noite ali, ele É e Sempre foi Brilhante, primeiro o Show teve Música, maravilhosamente tocada e regida, Vídeos escolhidos perfeitamente, Conteúdo de acordo com as idéias e propostas do SWU (mas afinal é exatamente o que ele, Peter Gabriel, faz há anos), teve respeito por Todos Nós Brasileiros, pois ele preparou um roteiro em português pra contar a respeito de suas músicas. Diferente de muitos ele tem Pai e se orgulha dele, também diferente de outros ele nós pediu para gravar uma mensagem de “voltem pra casa” para as crianças do Congo ao invés de enfiar um palavrão cú, bundão ou filho da puta. Olha que diferença!

Cansei de rebelde sem causa que quer brincar de invadir a praia!

Valeu Uma Vida! Obrigada Peter Gabriel & New Blood Orchestra!

..............................................................Livia Ulian