Cadastre seu e-mail

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Covardia e Medo!

As pessoas tratam essas duas características como a mesma, mas na realidade não são! Primeiro olhei no dicionário e achei vários sinônimos conforme abaixo:
Pusilânime(do latim-de alma pequenina)
Medroso(do latim–que tem medo)
Tímido(do latim–que tem timidez)
Traiçoeiro(relativo a traição, pérfido, desleal)
Poltrão(do latim, não tem coragem)

Foto acima: a lua Phobos

Deixemos o poltrão de lado, a palavra caiu em completo desuso, nem Lamarck pode ressuscitá-la! Já, medroso e tímido não podem ser entendidos como sinônimos de covarde, pelo menos não no “bom sentido”. É isso, existem pessoas covardes no bom sentido e no mau sentido.

Vamos lá, eu tenho horror, medo, pavor, pânico, ou seja, aversão a baratas, mas nenhuma timidez, pois quando uma aparece eu não me importo de pedir auxílio a um desconhecido ambulante ou a qualquer conhecido assente. No caso da timidez, pior ainda, posso até ser temida, mas nunca tímida. Sou medrosa, ou covarde no “bom sentido”, claro?

A palavra pusilânime me surpreendeu, a ausência de pessoas nessas condições em minha vida, causou uma falha grave na minha psico-educação, pelo menos até uns dois anos atrás, quando descobri exatamente o que significa. Mas fico contente, eu tenho a sorte de ter somente um exemplo de como pode ser uma alma pequenina. Entendi também que essas almas são traiçoeiras, extremamente egoístas, são o retrato fiel da covardia! Nunca assumem responsabilidades, e deixam que os outros o façam, simplesmente ficando a parte dos acontecimentos, só aparecendo se houver louros. Um outro exemplo é aquela pessoa que te deve desculpas e nunca o faz – se perguntado sobre o motivo da esquiva, ele vai responder: Você não iria desculpar mesmo, então pra que falar! Com essa atitude covarde ele transfere sua responsabilidade para você. Com belas palavras, atitudes educadas, falso moralismo e fingindo serem pacificadores, esses seres passam pelo mundo e até se reproduzem. Covardia da brava mesmo!

Cheguei a polida conclusão que covardia é produto da deslealdade, da traição e nem de perto isso se parece com medo ou timidez.

Do Dicionário Pessoal de ........................................... Livia Ulian

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

$2 Cents por um Coelho!

Desde criança sou vidrada em desenhos animados, cartoon se preferir chamar assim. Meu dia sempre teve 48 horas, pois eu ia a escola, brincava na rua, andava de bicicleta, assistia TV, ia ao clube, jogava vôlei, fazia natação e ballet, frequentava aulas de piano e conseguia entregar minha tarefa em dia, sem contar as excelentes notas. Não tenho a menor ideia de como conseguia!

Quem de nós não pára na frente da TV quando dá de cara com o Pernalonga e suas ideias super originais, como devolver Manhattan pros índios?! E todas as vezes que vejo aquela máquina de chicletes de bolinha, fico pensando em adicionar água e ver surgir dois mil marcianos instantâneos. E alguém aí tem um buraco portátil para me vender!? Sempre adorei O Hortelino troca-letra, o Eufrasino Puxa-Briga, o invejoso do Patolino, os Irmãos Metralha, odiava o chatinho do Mickey, e ria do Donald nervosinho... Quer saber Amo Tudo isso!

Outro dia estava lendo um texto sobre a psicologia dos desenhos animados e suas mensagens intrínsecas. Gente, tô cansada dessas análises. Que violência que nada! É só desenho e assim deve ser tratado. Quem coloca minhoca na cabeça de criança é adulto, pois elas nunca irão imaginar nada além de desenhos. Que mal exemplo coisa nenhuma! Alguém realmente acha que não existem pessoas como o Pateta, ou ainda que as pessoas podem ter gagueira, podem até não tomar banho (todos meus amigos que lerem isso, pensarão na mesma pessoa...rsrsrsrsrs). Pessoas mentem, exageram, são otimistas ou pessimistas (Hardy existe!). O Eufrasino é baixinho, e sempre arruma encrenca, mesmo quando não quer! A Luluzinha é muito mais esperta que o Bolinha.

Aí vem uma santa alma e diz: o Pica-Pau é maldoso, o Pernalonga é vingativo, que o Pato Donald é egoísta, o Frajola é guloso, o Coyote é um coitado... Tudo bem, pois o Papa-léguas não conhece a lei da gravidade! Vamos crescer um pouco... agora o violento é o Wolverine, mas também é super-protetor, a Docinho é vingativa, o dinossauro Barney é um chato, o Batman é o cavaleiro das trevas e não mais justiceiro, o Robin sumiu pelo bem estar sexual da humanidade, o Super-Homem morreu e o Homem-Aranha continua morando com a tia... Será que alguém em sã consciência pode acreditar que a formação do caráter veio DEPOIS do desenho animado? Que HB ou WD são agentes do diabo! Ah, tenha a santa paciência, o Diabo Veste Prada!

Eu, durante toda minha existência, NUNCA vi nenhum cara mascarado, vestido de meia-calça colorida, com as cuecas enfiadas por cima, com ou sem capa, vagando pela noite, pulando pelos prédios ou soltando teia pelos pulsos!

O que mudou foi a vontade de estereotipar nossos companheiros de infância, querer encaixar cada um deles em tipos psicológicos pré-conceituosos. Quando eu era criança, existiam os personagens que eu gostava e os que eu não gostava e SÓ.

Tá vendo eu sou infantil... eu continuo assistindo um monte de tranqueiras na TV e continuo sem saber como, pois não paro em casa!

.....................................................Livia Ulian

segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

Reformas na Sala de Guerra!


Nunca será um relacionamento fácil. Temos que disputar cada assunto, afinal o Deus da Guerra não entrega nada sem uma boa luta. Mas quem ouviu falar de uma sacerdotisa no templo de Ares?! Devo ser a única. Guerra é coisa de homem! Mas se eu fosse uma donzela em perigo, Ele nem teria me notado.

Morar no Salão da Guerra não é diferente do que sempre imaginei. Fui praticamente sequestrada, sem escolha alguma, não que eu não quisesse, pois é evidente que adorei! E para o meu bem, é melhor continuar resistindo, não muito, só o suficiente!

Gostaria de saber quanto tempo Ele vai ficar em Tróia e se realmente ainda está por lá. Que não reclame quando voltar e descobrir que as coisas aqui estão um pouco diferentes. Quer saber, vou colorir um pouco o ambiente, nada de flores, nada que tire a masculinidade. A primeira coisa a fazer é superar a pequena dificuldade de entrar e sair por esta escarpa. Muito fácil para um deus, mas completamente indigno para um mortal

Olhando em volta, o que eu poderia mudar? Uns bordados dourados na barra dos tecidos negros que recobrem as paredes de pedra, é ia ficar bem bonito. E estas poltronas de madeira e couro, desconfortáveis o suficiente para que as visitas durem o tempo necessário, melhor manter assim, talvez só a cor. Uns brocados sumerianos para almofadas e tecidos leves para dividir um pouco o ambiente. Ah, e o tapete, vi alguns perfeitos no país de Ciro. Acho que posso pensar também em algumas peles de animais, podem ser bem úteis durante o período frio. E livros, a vantagem do sacerdócio é aprender a ler, afinal passar dias e dias aqui sozinha sem nada para fazer, posso acabar tomando o lugar das Fúrias.

A cama está bem assim!

Memórias de Todas as Vidas
Dez/10'2008
........................................................Livia Ulian