Cadastre seu e-mail

sábado, 21 de junho de 2008

Esplendor na Relva!



Quando eu era pequena assisti a um filme que só hoje consegui entender. Sou daquelas pessoas que adoram assistir ao mesmo filme e prefiro que eles estejam sendo exibidos na programação e não disponíveis no meu arquivo. Com isso compro a maioria dos filmes que gosto, mas eles são pouco utilizados. Só a Cristina entende isso!

Voltando ao assunto.... Só assisti uma vez o filme em questão e lembro que ao final foram só lágrimas, eu chorava prum lado, minha mãe pro outro e meu pai balançava a cabeça achando nós duas muito bobas.

Claro que era um filme bem água com açúcar. Ela uma moça bem simples e digna e ele o riquinho da cidade. Inadvertidamente se apaixonaram, namoraram escondido e até "fizeram amor" (SIC), não foi só sexo! Mas a cidade do interior dos USA não permitira o relacionamento de categorias sociais tão distintas e os dois se separaram. Ela como não poderia deixar de ser ficou muito mal falada na cidade e o garanhão casou com uma bela donzela. Anos se passam e a família rica perde tudo. Nessa hora imaginei que agora ele poderia viver o grande amor que todos sabiam que sentiam um pelo outro - mas não, quando se reencontraram ela não sentia mais nada! Eu nunca entendi isso, achava que o amor durava para sempre.

Hoje dei de cara com o poema que era recitado por ela ao final do filme e finalmente entendi...

Sinta a alegria de Maio!
A luz que brilhava com tanta intensidade,
Foi levada para sempre dos meus olhos.
Embora nada possa devolver os momentos
De esplendor na relva e de glória em flor;
Não nos afligiremos, melhor,
Encontraremos força no que ficou pra trás;
Na harmonia inicial que deveria ter sido;
Em suaves pensamentos que saltam o sofrimento humano;
Na fé que contempla a ideia da morte,
Nos anos que trazem a mente filosófica.
(Ode: Intimations of Immortality from Recollections of Early Childhood, 175-186)

Me perdoem aqueles que amam a William Woodsworth, mas a tradução acima é minha e portanto completamente parcial e livre.

.............................................................Livia Ulian

Nenhum comentário: